6 de outubro de 2009

Da série Infância


Descoberta

-- Pvo Pcê Pgos Pta Pde Pmim?
-- Peu Pgos Pto!
-- Ppos Pso Pte Pbei Pjar?
-- Psim!
-- Psmac...
-- Pque Pcoi Psa Pno Pjen Pta!
-- Ptam Pbém Pa Pchei...
-- Pen Ptão Pva Pmos Pbrin Pcar Pde Ppi Pque?
-- Pva Pmos!
-- P1 P2 P3 Pe... Pjá!

Inocência
-- Cê, cê, cêrere, cê,cê...
-- Eu com as quatro!
-- Eu com ela!
-- Nós por cima!
-- Nós por baixo!

E era só uma brincadeira de bater as mãos....


Magia

-- Mãe, é verdade que o Papai Noel tá bem velhinho?
-- É, sim, filho.
-- E quantos anos ele tinha quando virou Papai Noel?
-- Ah... ele nasceu Papai Noel.
-- Credo! Era bebê e o chamavam de “Papai” Noel?
-- Bem....
-- Mãe... como ele entregava os presentes até ficar com a idade da Ju, que começou a andar?
-- Ah... é...
-- E mãe? Como ele conseguia, tão pequeno, carregar aquele saco pesado?
-- Bem...é que...
-- Ah, mãe? E quem dirigia as renas pra ele até Papai Noel fazer 18 anos?
-- Bom...aí...
-- Mas, mãe! Se ele tá velhinho assim, quem vai fazer o serviço dele quando morrer?
-- Olha...eu...
-- E mãe...
--Pára, Tavinho! Chega! Papai Noel não existe, menino!
--.... Buáááááááááá.....

Verdades

-- Manhê!
-- Sim, filha...
-- De onde vêm os bebês?
-- Ah... vêm da barriga da mãe.
-- E saem pelo umbigo?
-- Não. Sai da periquitinha da mãe.
-- E dói quando sai?
-- Não muito. Só um pouquinho.
-- E como o bebê entra na barriga?
-- Ah... o papai e a mamãe namoram muito, muito, muito. E aí, a sementinha do amor deles fica na barriga da mamãezinha. Daí o bebê cresce.
-- Sabia!
-- O que, minha filha?
-- Sabia que essa história que a Marininha contou na escola, de que o homem enfia o pinto na xoxota da mulher, era pura mentira!

Fadas


-- Mãe! Pai!
-- Oi, filhote! Diga...
-- Meu dente caiu, ó.
-- Que bacana, querido!
-- Filho, coloca embaixo do travesseiro para a fadinha do dente trazer um dinheirinho.
-- Tá bom, mãe!
...........
-- Pai! Mãe!
-- Que foi, meu fofo?
-- Caiu outro dente!
-- Mas que legal, meu lindo! A fadinha vai trazer mais dinheirinho pra você.
-- Oba!
-- Depois vamos ao shopping comprar um brinquedinho com esse dinheiro da fadinha.
-- Que nada, pai! Não vou gastar com isso, não!
-- Por que, meu filho?
-- Ué? To guardando tudo pra comprar uma dentadura, né?

Morte

-- Vô...
-- Hum?
-- Você já tá bem velho, né?
-- To, sim, querida.
-- Então você vai morrer logo?
-- Ah... talvez sim...
-- Posso pedir uma coisa?
-- Pode, minha flor.
-- Quando você morrer e for para o céu, pede prum anjo me arranjar asinhas iguais as dele?
-- Peço, sim. Mas quem vai trazê-las pra você?
-- Ah! Já pensei nisso... vou pedir de Natal pro Papai Noel. Aí ele vai lá e pega com o anjo, amigo seu.
-- Entendi... e por que você quer essas asinhas, querida?
-- Pra poder te visitar no céu, né?

Irmãzinho

-- Mãe...
-- Que foi, filho?
-- Eu não vou ter um irmãzinho?
-- Bom... para ter um irmãozinho eu preciso encontrar uma pessoa bacana pra fazê-lo...
-- Aquela sua amiga... que você gosta muito... ela não é uma pessoa bacana?
-- Ah.... não dá, filho. Para fazer um bebê é preciso ter um homem e uma mulher.
-- Por quê?
-- Porque o homem coloca o pipizinho dele na periquitinha dela. De lá sai a sementinha que vai ficar na barriga da mãe. E o bebê cresce ali.
-- Então, mãe... já sei: eu tenho o pipizinho e você tem a periquitinha!*


* conversa verídica que tive com Gabriel, quando ele estava com 4 anos.

2 comentários:

Cristina Ancona Lopez - Tita disse...

Mari,
Adorei!
Vc é realmente muito criativa.
Beijo,
Cris

Salvador disse...

deliciosa esta série!
ágil de se ler...
^^