25 de novembro de 2009

Da série Alma Imoral


Nem Moisés, nem Abraão

Fui assistir Alma Imoral, a peça.
Você ainda não viu? Pois precisa ver, menina. Coisa boa demais!
Em vários momentos eu me emocionei. Vários.
Mas dois, em especial, levaram todo meu corpo a um grande arrepio.
O primeiro momento em que me encontrei com a personagem foi quando ela disse o seguinte:
"não há solidão maior do que a ausência de si."
É como se os oráculos e todos os búzios tivessem me apontando porque, ultimamente, sinto um vazio e certo desconforto.
Claro! Óbvio! Não estou comigo, não me sinto, não me preencho.
O segundo momento foi a parábola que ela contou.
Algo assim: certa feita, um rabino, chamado Sigs, que estava morrendo, demonstrou uma inquietação ao seu discípulo.
Este, vendo sua angústia, pergunta: 'Rab, por que estás assim?'
E o morimbundo responde: 'Tenho medo de como será quando eu me encontrar com o júri divino'.
O discípulo pergunta: 'Mas por que, Rab Sigs?'
Este, sem quase forças, responde: 'Porque eu não fui nada nesta vida'.
O discípulo, surpreso, argumenta: 'Imagine! O senhor é exemplo, fez tanto por todos. Eu é que nunca fui ou fiz nada'.
O rabino continua, falando baixinho: 'Se me cobrarem que não fui como Moisés, fico tranquilo em responder que não fui mesmo, porque eu não sou Moisés. Se me perguntarem por que não fui como Abraão, responderei com firmeza que não fui porque eu não sou Abrãao. Mas... e se me perguntarem: 'Sigs, por que não foste Sigs?'


Relativo


Nessa mesma peça que assisti, a atriz fala do que é certo e do que é justo.
E de uma forma bem descontraída - além de muito didática.
Para isso, conta uma piadinha, que reproduzo aqui:
"dois advogados se encontram na porta do Motel. Cada qual com a esposa do outro.
O primeiro diz ao segundo: 'Nobre colega, que situação!'
O segundo diz ao primeiro: 'Que situação, nobre colega!'
O primeiro continua: 'Pois façamos o que é certo e justo, nobre colega.'
O segundo concorda: 'Façamos pois, nobre colega, o certo e o justo'.
O primeiro sugere: 'Troquemos já de mulheres, ficando cada um com sua esposa'.
O segundo devolve: 'Nobre colega, isto pode ser certo, mas não é justo. Porque você está saindo e eu acabei de chegar...'


Sensação


Alguma coisa aconteceu de diferente.
E só me dei conta no final do dia.
Havia leveza em mim, apesar de um cansaço que me toma há dias.
(O tal estresse de fim de ano, sabe?)
Sei lá porquê, eu me senti bem quando me deitei à noite.
Sensação de dever cumprido? Mas não fiz nada...
Algum sonho realizado? Que eu me lembre, nenhunzinho.
Uma pessoa nova que trouxe ânimo? Nem... os mesmos de sempre - com todo o respeito.
Um evento mágico que me tirou o ar? De casa pro trabalho, do trabalho pra casa. Necas.
Algo diferente que comi e me aqueceu por dentro? Sanduíche de queijo branco com tomate e orégano ainda não tem esse poder.
Enfim... gastei um bom tempo antes de dormir pra tentar descobrir, afinal, o que tinha feito tão bem,
a ponto de eu estar assim, tão plácida e leve.
Adormeci sem qualquer conclusão, mas tudo bem.
Porque uma coisa eu estou aprendendo:
bom mesmo é simplesmente sentir.

Um comentário:

Cristina Ancona Lopez - Tita disse...

Nada melhor do que sentir. E a Alma Imoral, vc tem razão, nos remete ao sentir em todos os sentidos e nos dá e desdá nós.
Eu tenho o livro se vc quiser mas a peça nos toca mais de perto.
Beijo,
Cris