21 de janeiro de 2011

Da série Devaneios

Catástrofe

A vida se faz e se desfaz como novelo.
Você constroi seus dias, fio a fio, formando sonhos em lã frágil.
Por um descuido, ela se desenrola rápida e faceira.
É desfeito em segundos o que se ergueu em décadas.
Tal como nos desmoronamentos.
Descobre-se que, gota a gota, a água mina a terra.
Diante do oco, da lama misturada aos restos de esperança,
preenchem-se os olhos com lágrimas e vazio.

Retomada

No meio do lixo, onde muitas vezes me escondo,
surge uma pedra rara, que brilha e desvia a atenção de mim mesmo.
É dessa pedra que construo outra morada.
Nela se erguem pequenos desejos que vão se alinhavando,
até formar a vontade, nua e crua, de não desistir.
Assim reciclo o lixo, onde muitas vezes me escondo,
para transformar pedras em sonhos de algodão.

Próximos passos

Os pés eram tão pesados, que neles se atropelava a cada passo.
Não adiantava enfiar os dedos em sandálias que não suas.
"Cada calo com seu sapato", sábio ditado.
Andou anos sentindo bolhas machucando o calcanhar.
Encontrou algumas palmilhas e está um pouco mais confortável,
mas ainda sente o cutucar latejante da unha encravada.
Quando conquistar seus verdadeiros sapatos é que terá descanso.
Enquanto isso, tropeçar é preciso.

Um comentário:

Tita disse...

Bom o "retomada"